Back to the top

texto por Thiago Soares
fotos por Jorge Mariano


O acre não existe, porra. E não vale nem um cavalo! Foi isso, entre erros e acertos A Sexta Geração da Família Palim do Norte da Turquia fez um show bacana no Pub Fiction. Um pouco mais lento do que os de sempre, mas cheio de ótimas músicas novas do segundo CD da banda, ainda sem data de lançamento. O segundo promete ser ainda melhor do que o primeiro. Entre as novas tocas estão “Digna de honra ao mérito”, “Acho que ela gostaria”, “O grande irmão” e “Boa noite, cinderella”.

A outra banda da noite foi Nevilton de Umuarama. O power trio fez um show impecável com direito a várias músicas da banda, alguns covers e muitos improvisos. Entre os covers estão uma versão fantástica de “Jorge Maravilha”, uma música do Poléxia e muitas homenagem às festividades de Páscoa.


Nevilton é sem dúvida uma das melhores bandas da região, o entrosamento do trio é de dar inveja a muitas bandas, os pulos de Ton são a alegria dos fotógrafos e as músicas da banda estão cada vez melhores.


fonte: http://programagaragem.blogspot.com/2008/03/danando-com-cludia-raia.html

180

Nevilton, no Panela Rock, por Luísa Peters.

O power trio de Umuarama/PR foi a melhor surpresa musical que eu já tive nos últimos tempos. Nando Reis teve um filho com o Graforréia Xilarmônica e ele se chama Nevilton: uma banda tecnicamente impecável, com presença de palco, carisma e muita originalidade. Com um quê de Los Hermanos ao fundo (houve gente que discordou veementemente), o Nevilton apresentou ao público uma música que deixa uma sensação de ’parece que eu já ouvi, mas não sei aonde’. Não é que seja cópia de algo, é que a música passa uma sensação deliciosa de familiaridade. Fiquei lutando para identificar todas as influências (um pouco de 80, um pouco de 60, um pouco de jazz), mas foi impossível. O jeito foi parar de escrever e só curtir. Atendendo a pedidos, a banda mandou ver ’Amigo Punk’, do próprio Graforréia, e embasbacou a todos com a exatidão instrumental e vocal do cover. Excelente! Paz e Amores, dedicada pelo vocalista a todos que gostam de jazz e cerveja, e segunda faixa do CD, é meu novo vício musical. Enfim, o Sul mostra que continua produzindo alguns dos melhores sons atuais.

por Luísa Peters.

fonte: http://panelarock.blogspot.com/2008/02/nevilton.html

16

Rolou “Mestre Frank” no “Contramão” de Março!!!

Contra 03/2008
March 14, 2008 04:18AM

Pedro F – O Furor Vão De Tudo
Moobwa – Marie
Joe Byrd And The Field Hippies – You Can’t Ever Come Down
Atlantis – Big Brother
1.000 Violões – A Música De Mil Violões
Disco De Vinil – Fabula Moderna
Nevilton – Mestre Frank
George Belasco – Sete Palmos
Irmaos Rocha – Bumbababum
The Grateful Dead – Mississippi Half-Step Uptown Toodleloo
The Grateful Dead – Let Me Sing Your Blues Away
Stereolab – Miss Modular
Natalie Rose Lebrecht – Warraw Track 01
Martiataka – Todo Amor Perdido
Leela – Te Procuro

fonte: http://contramao.podomatic.com/entry/2008-03-14T04_18_23-07_00

14

A “ponte rodoviária” Umuarama-Maringá tem me deixado, com muita freqüência, por fora do circuito dos grandes shows. Isso porque quase nunca estou no lugar certo, na hora certa. A última vez que me lembro de ter visto um bom show em Umuarama, por exemplo, foi no dia 13 de outubro do ano passado (dia do meu aniversário, diga-se de passagem). A noite, que pra mim era especial, foi embalada por bandas de amigos queridos como os curitibanos do Terminal Guadalupe e os umuaramenses da Joke Box e do Nevilton.

Outra data também merece destaque na lista de bons shows que já fui, mas para isso, me permito adiantar o tempo; ou seja, pulando as datas festivas do Natal e Ano Novo, vou direto ao carnaval. E que carnaval! Não tinha nada de peitos e bundas à mostra como na Globo, não! O meu carnaval foi num Grito Rock (um festival sul-americano que esse ano chegou a Maringá, especificamente ao Tribo’s Bar, em plenos sábado e domingo de carnaval e contou com algumas das melhores bandas da cena independente).

Infelizmente, devido à crise nos horários de ônibus de Umuarama para Maringá, não pude comparecer na noite de sábado, mas o domingo prometia dentre outras bandas, ser esquentado pela loucura dos londrinenses do Dizzaster, a voz rouca de Dani Corazza à frente do Leminskes e a presença, novamente, dos meus conterrâneos da banda Nevilton que mesmo tocando apenas por 30 minutos, deram um show à parte. Tanto que se ouvia ao longe desde comentários do tipo “nossa, mas eles são bons, hein?” até a curiosidade sobre o nome da banda (que pode parecer óbvio para alguns, mas que é assunto para um próximo texto, quem sabe).

E em meio a conversas de mesa em mesa, lá se via o vocalista, o tal do Nevilton, entregando todo empolgado os CDs da banda (quase que artesanais, se assim posso definir) para quem ficasse com gostinho de quero mais. É, e pelo jeito o público havia gostado do som dos meninos, afinal, depois de duas semanas contadas nos dedos eles voltaram a Maringá (agora no Pub Fiction, um bar no outro lado da cidade).

Mais uma vez os amigos foram chegando ao Pub numa noite que, antes do show começar, parecia não ter motivado o pessoal a sair. Ledo engano. A bagunça dava seus primeiros passos quando o Engenheiros do Hawaí cover começou a tocar. As pequenas balançadinhas nas pernas mostravam que a galera já começava, aos poucos, se soltar.

o “Rock Presidencial” de “Nevilton”, e a foto por Jorge Mariano!

Mais tarde subiram ao palco os três meninos que, em meio a plumas e paetês, óculos coloridos e colares hawaianos enrolados no pedestal do microfone, levantaram ainda mais o ânimo da galera que foi ao bar com diferentes intenções: uns já eram freqüentadores assíduos, outros foram para rever os colegas de Umuarama; também houve aqueles que foram para cantar em coro as músicas próprias da banda e ajudar a animar o resto do pessoal. Ah, e não se pode esquecer daqueles que, mesmo não gostando de bandas de rock com som autoral (principalmente com letras em português), foram por alguma razão desconhecida. E esses se surpreenderam, porque entre “delicadezas”, “ballets”, “doces de jabuticaba”, e até uma música que tecnicamente não existe (porque nunca foi gravada, mas acreditem: eu ouvi e a letra à la VI Geração da Família Palim do Norte da Turquia só diz “dançando com a Cláudia Raia”), os saltitantes e inquietos meninos mandaram desde covers de Nirvana e Silverchair até uma homenagem à banda curitibana Poléxia. Foi show pra ninguém botar defeito! Digno de enfrentar demoradas viagens de ônibus. No final sempre vale a pena ver o tal do rock’n’roll bem feitinho e com qualidade, não importa em que cidade.


postado por Ane Pacola
fonte: http://culturanja.blogspot.com/2008/03/o-tal-rock-n-roll-bem-feitinho-de.html

38
© WolfThemes