Segunda noite do Grito Rock Maringá – Domingo, alguns atrasos, falta de cabo, bandas que foram comer e esqueceram que o principal era rodar o show, mas fora os imprevistos do inicio, a noite foi uma maratona musical, além de cansado, Franciano da Low Records que era o responsável pelo som, reuniões e seus apetrechos eletrônicos não tinha voz nem pra pedir uma água, mas no total, onze bandas se apresentaram, numa noite que só terminou às sete da manhã. O público, maior que o de sábado, teve espaço para a surpresa prog alternativo do SOMA, de dourados e para o Rock garage do DIZZASTER. Mas fora isso houve espaço para sons menos furiosos, pelo menos em princípio. NEVILTON fecharam o meio da noite com seu rock sessentista e instrumental, mesmo encerrando seu show quase às três da manhã, mantiveram um bom e dançante público. Aparentemente, boa parte de sua platéia maringaense foi ao Tribo’s bar só para vê-los, em uma das suas espetaculares e pulantes apresentações. Não foram só bandas já estabelecidas como Nevilton, The Name, Fluid e Dimitri Pellz que desafiaram os limites do independente no último dia de Grito Rock Maringá com o público. Quem esteve la no domingo dia 03 pode se deliciar com melodias ligadas no alternativo de forte apelo Powerpop sobre um instrumental que mistura Indie oitentista com indie americano dos anos 90, os paulista do THE CLEANERS tiveram boa aceitação do público. Os melhores momentos foram os números de andamento mais acelarado e dançante. (The Unhappiness of Smile Planter e a conhecida de alguns To Grow Old) quem esteve por la conciderou como o melhor show da noite. O Drama Beat é um caso de definição feliz. Definimos elas como uma banda “simples”, e a simplicidade da própria definição é de uma felicidade única. Elas sobem e tocam. Simples assim. Não ficam fazendo discurso, não fazem música comum, não tentam impressionar, simplesmente tocam bem boas músicas. E vão embora. 3 garotas !!! sempre que eu vejo bandas com garotas, fico imaginando aquelas gurias em situações “normais”, como passando baton ou estarem na frente da casa de uma amiga conversando, porque a situação no palco é muito diferente. Mas existem meninas que soam diferentes num palco de rock, Drama Beat é uma delas. As bandas locais Stoned Beavers, So Whath e Leminskes, únicas mas com repertório muito bem feito, com sua combinação de melodias, letras e poderosa apresentação ao vivo, é boa aposta para 2008. Os curitibanos Invasores e Pulgas também fizeram ótimas apresentações tirando alguns problemas e atrasos valeu a pena pra quem assistiu pode ver seu RockPunkHardcore. Eu acordei na segundona cheio de preguiça, não tinha como não ser assim, telefone desligado e sem bateria, pensando na maratona que tinha passado e com grande satisfação de ter estado dentro da organização do 1º GRITO ROCK Maringá junto do meu camarada Franciano vimos muitas coisas novas, ficamos ansiosos com muita coisa conhecida que ja viamos escutando pela net e o que podemos dizer é que tivemos muita satisfação de ser parte do processo que com certeza vai mudar a cena independente da nossa cidade. Ao final de tudo, sobra pra gente da Timbre Noise e Low Records a satisfação de ver um festival bem falado, como algumas bandas e algumas pessoas ligadas a cena falaram, “muito bem organizado”, e a Timbre Noise e Low Records merecem os parabéns pelo esforço e pelo trabalho, um público bacana que compareceu em grande número e o melhor, muita gente nova e amigos das antigas estiveram prestigiando. Nesses dois dias de Puro Rock mostramos que um novo público esta vindo, que é só formar parcerias sérias e sólidas que tudo sai conforme o esperado, esperamos que tudo o que fizemos neste carnaval tenha agradado a todos, mesmo que tenha tido alguma falha, esperamos melhorar estas nos nossos próximos eventos que estão por vir. Queria muito deixar o nosso agradecimento pra algumas pessoas; Junior (Tribo’s Bar), Aroldo (COE), André (XINGU), Flávio Silva (Sonic Flower), Kimura e Liziane (MaringáPONTOcom) Chey, Giselle Barbosa e Luciana de Paula, Thiago Casarotto (CENA DOURADOS), Pedro Eduardo Valério, Valéria (Mariposa) Katião, Zé Neto(ZédusDUB), Alexandre Caron (Timbre Noise Curitiba), Dema (Timbre Noise Arapongas) e agradecemos também a galera do Programa Garagem que estiveram la, valeu pela força galera. O maior obrigado é pro público que foi em gigantesca quantidade e a todas as bandas que se dispuseram em estar no nosso primeiro festival.

Desculpe se esquecemos de alguém, mas fica aqui nosso muito obrigado por ter aceito nosso convite.


por Fabio
Stoned Sensation/Timbre Noise Produções

Fonte: http://timbrenoise.musicblog.com.br/50386/GRITO-ROCK-AMERICA-DO-SUL-A-Invasao-Independente-em-Maringa/

Leave a Reply